Bem-vindo!

BEM-VINDO! Você esta convidado a participar desta conversa comigo. Vou contar, informar, reclamar, desabafar, avisar, ou seja, será o nosso espaço para tratarmos dos mais variados assuntos. Por você estar aqui, OBRIGADA!


lunes, 24 de noviembre de 2008

PLAZA DE TOROS MONUMENTAL DE VALENCIA

























No sábado, dia 15 de novembro, fizemos um passeio muito interesante e inusitado para todos nós. Fomos assistir a GRAN CORRIDA DE TOROS, na Plaza de Toros Monumental de Valencia. Este passeio surgiu quase do nada. Ao estarmos caminhando nos jardins da USB, Marco Aurélio convidou o grupo para ir ver a Gran Corrida de Toros de Valencia, famosa na Venezuela e que é a maior Plaza de Toros da América, maior que a do México. O pessoal ficou muito resistente por considerar um espetáculo cruel. Mas nós decidimos que deveriamos, pelo menos uma vez na vida, ver o que é esse espetáulo que atrai tanta gente. Combinamos que durante a semana acertaríamos os detalhes da viagem.


Chegou o sábado. O espetáculo começava às 16:30h, mas como tinhamos que comprar os ingressos lá, saimos de Caracas bem cedo. Não tão cedo assim, pelas 8:30h. GPS nos guiando, às 10:15h já estavamos em Valencia. Cidade linda, limpa, menor e bem mais quente do que Caracas, com parques muito bem cuidados, principalmente o Parque Negra Hipólita, avenidas largas e uma Plaza de Toros Monumental imponente.














Cada toro tem uma decoração diferente.










O programa oficial previa que sete touros seriam lidiados, picados, banderilleados e mortos a la Usanza Española, ou seja, ao costume espanhol. Os matadores eram dois venezuelanos, um espanhol e um colombiano. Ao se falar assim, parece que se terá um espetáculo sanguinolento, cruel, próprio das arenas romanas. Mas não foi nada disso o que vimos. Entramos no Monumental com um certo aperto no estômago, que foi logo sendo dissipado pela beleza do local, com a decoraçao de touros pintados nas mais diferentes cores, com o público que chegava, usando botas, chapéus texanos, trajes típicos espanhóis, e muitas cavas, cheias de cervejas, gelos e whisky. Muitos carregam a tiracolo as botas, recipiente usado para se levar o vinho, feito de couro em forma de pera e com um bico na parte mais fina que permite a saída do vinho. Para se tomar vinho da bota se necessita ter experiência e domínio dessa arte, pois o vinho deve jorrar diretamente na boca e sem gotear ou manchar a roupa.


Foto da turma corajosa tirada pelo Bragança.



Os assentos são numerados e fomos conduzidos aos nossos lugares por jovens uniformizados e muito gentis. As meninas estavam super maquiadas. O show inicia com apresentaçao de danças típicas acompanhadas pela orquestra. Entram, então, todo o pessoal que participa na arena. Surge o primeiro touro e os toureiros, os picadores e os banderilleros. Nesta primeira tourada, o matador entra a cavalo, pois ele é um rejoneador. Outros três matadores enfrentam o touro a pé. A roupa dos caras é incrível, toda colada no corpo, finamente bordadas, em cores fortes, e seus movimentos, às vezes, parecem um passo de balé.





Os touros realmente morrem, mas o processo todo é feito de uma forma que não nos chocou, não vimos o sangue na arena como tinhamos imaginado que seria. Claro que a gente acaba sempre torcendo para o touro, para ele ser poupado, mesmo sabendo-se que eles são nascidos e criados para esse fim, ou seja, já nascem "sabendo" que seu destino será uma morte na Plaza de Toros.





video




Nesse dia, um dos touros teve sua vingança, jogando o picador e seu cavalo contra a parede da arena. Nesse momento levei medo pelo cavalo, mesmo sabendo que a sua super proteçao não poderia ter permitido qualquer ferimento. De qualquer modo, ele, espertamente, fingiu-se de morto para enganar o touro. Somente quando o pessoal da arena o tocou e ele sentiu que não existia mais perigo, foi que ele se levantou.


O momento mais lindo para mim, foi ao final de uma das corridas quando todo o público reconhecendo o valor do touro e do toureiro apladiu de pé, acenando lenços brancos e com chuva de papéis ao som da orquestra que tocava na cadencia forte e marcada das músicas espanholas. E o matador, ao final, caminha com seu passo típico ao redor de toda a arena e o público lhe joga rosas vermelhas.

2 comentarios:

pblower dijo...

Que maravilha! Da proxima vez estarei com vcs, apesar de ter um pouco de medo de ver as touradas.

Linda matéria, lindo texto.

patricia

Sonia dijo...

Meninas, vocês são ótimas!!!!
Sonia